Centro de Referência de Juventude

Centro de Referência de Juventude

Centro de Referência de Juventude

Governo e entidades debatem Centro de Referência da Juventude

O processo de implantação do Centro de Referência da Juventude na capital será tratado por uma comissão paritária composta por representantes da Prefeitura e de movimentos juvenis, conforme acertado na audiência pública deste dia 19/10 na CMBH. O encontro foi promovido pela Comissão de Educação, Ciência, Tecnologia, Cultura, Desporto, Lazer e Turismo, a requerimento do vereador Arnaldo Godoy (PT). Pelo projeto da PBH, o novo local vai receber investimentos de cerca de R$ 14 milhões, incluindo teatro de arena, auditório, biblioteca, estúdio de gravação e sala para concerto, entre outros espaços. A criação da comissão foi definida após críticas das entidades representativas quanto à pouca abertura dada pela PBH na montagem do projeto.

“Discordamos da forma como a PBH vem tratando o Centro de Referência e as políticas públicas para a juventude”, ressaltou Áurea Carolina, representando o Fórum de Entidades e Movimentos Juvenis da Grande BH, ao ler um manifesto assinado por 14 entidades. No comunicado, os jovens afirmam que não tiveram acesso a informações mais detalhadas sobre o projeto. “Não sabemos se existe um diagnóstico que justifica o projeto, não conhecemos a visão política de juventude que o fundamenta, não entendemos a opção por determinados serviços e atividades”, destaca o texto.

Segundo a representante, a comissão paritária terá a função de aprimorar o projeto definido pela Prefeitura. Entre os ajustes sugeridos, estão a incorporação do Centro à estrutura da Coordenadoria Municipal de Juventude. “Não entendemos a razão de o Centro estar fora da estrutura da Coordenadoria. Qual o interesse da Prefeitura em esvaziar a Coordenadoria?”, questionou Áurea, que defendeu a necessidade de se pensar o projeto dentro de uma política pública maior e específica voltada à juventude.

Soluções para facilitar a locomoção até o novo Centro de Referência, como a instituição do passe livre nos coletivos, foi outra reivindicação apresentada. Os jovens ouvidos na audiência também defenderam uma maior descentralização das ações, com o desenvolvimento de projetos nas Regionais. “Temos de pensar na descentralização em termos geográficos e também de representação. Temos regionais do tamanho de cidades”, ressaltou Rafael Leal, representante da União Estadual dos Estudantes.

O vereador Arnaldo Godoy destacou a necessidade de se repensar a transferência do Projeto Miguilim, voltado ao atendimento de jovens com trajetória de rua, que daria lugar ao Centro de Referência. “Podemos incorporar esse público do Miguilim dentro do Centro”, propôs.

Superintendência de Comunicação Institucional