Diário do Arnaldo – Deficientes – Março de 2017

Diário do Arnaldo - 6 a 19 de Março

“Olha que a vida tão linda se perde em tristezas assim/ Desce o teu rancho cantando essa tua esperança sem fim/ Deixa que a tua certeza se faça do povo a canção/ Pra que teu povo cantando teu canto ele não seja em vão.” – Geraldo Vandré

 

 

Belo Horizonte se tornou, definitivamente, a cidade dos blocos de rua. Milhões de pessoas lotaram as ruas, trazendo descontração, criatividade e também crítica política, afinal, assim é o carnaval brasileiro – sobretudo, uma sátira ao conservadorismo e ao preconceito. Como era de se esperar, em todo Brasil, e não somente em BH, o canto geral marcado pelos surdos e tamborins foi um sonoro e afinado “Fora Temer”, ainda que a Globo tentasse esconder. Participei de alguns desses blocos, como o “Sexta Valente”, onde me encontrei com Patrus, e “Todo Mundo Cabe no Mundo”, do artista e amigo Marcelo Xavier.

 

6 a 12 de março – Depois da Folia de Momo, a “Ademg informa”: sai Gilson Reis da liderança do governo na Câmara Municipal para não entrar ninguém. Esta indecisão do prefeito Kalil prejudicou os trabalhos legislativos da semana, sem apreciação de vetos que trancaram pauta de votação. A balada foi a mesma em todas as sessões: muitos discursos e debates acalorados sobre as reformas do usurpador Temer e sobre a Escola sem Partido. Com relação à última, defendo uma escola democrática e com participação. Os alunos não podem ficar sem discutir os temas atuais de nossa sociedade.

Para quebrar o clima, na quinta-feira (9/3), instalamos a Comissão Especial que tratará do genocídio da juventude negra em BH, proposta de minha autoria que a Câmara acolheu, incorporando à iniciativa a discriminação da população LGBT. Fui eleito presidente, com Áurea como relatora, além dos membros Helinho da Farmácia e Juninho Los Hermanos. Há dois anos realizei na CMBH uma audiência pública sobre o tema, com o apoio do deputado Reginaldo Lopes, que coordenou uma comissão semelhante na Câmara Federal. Seu relatório deve subsidiar nossa metodologia de trabalho, que buscará parcerias com as universidades, principalmente Pucminas e UFMG. Será um ano intenso de pesquisas e análises, até a apresentação dos resultados.

À noite, um abraço no bom e velho amigo Olavo Romano, que lançava “Cidade Submersa”, causos sempre necessários para temperar a vida, inda mais nestes tempos cinzentos.

 

13 de março – Nunca é demais lembrar que a semana começou com o dia 13, número do PT. Pela manhã, reunião no Conselho Municipal das Pessoas com Deficiência, consolidando as discussões que marcarão o ano e, na sequência, uma visita ao gabinete de membros de uma orquestra barroca, músicos abnegados e virtuosos que lutam pelo financiamento e manutenção de seu grupo.

Após a sessão no plenário, quando os vereadores começaram a apreciar alguns vetos do prefeito, uma homenagem ao Escotismo, que comemorou 100 anos em BH. Falamos da difusão de valores, conscientização, respeito ao meio ambiente e sobre solidariedade e justiça social no Brasil. Uma noite diferente e bacana… Sempre alerta! Parabéns a todos os 31 grupos escoteiros de BH!!!!

 

14 de março – Por conta da falta da liderança do prefeito Kalil, os trabalhos continuam morosos na Câmara, com a votação de dois a três vetos a cada sessão. Após o plenário, uma entrevista à Rádio UFMG Educativa sobre a instituição da Comissão Especial que tratará do genocídio da juventude negra e da discriminação do segmento LGBT. A conversa foi muito boa.

 

15 de março – Para marcar definitivamente a semana, a imensa manifestação contra as reformas que o governo do usurpador Temer insiste em enfiar pela goela do povo brasileiro. Mas de 100 mil pessoas em BH e outras 250 mil na av. Paulista, sem contar nas outras cidades. Há muito não via uma manifestação tão forte e com adesão tão ampla, numa manhã tão linda e numa tarde de sol quente que nos torrou a cabeça. Por mais que a imprensa tentasse ocultar, as pessoas mostraram que não aceitarão o desmonte do Estado brasileiro e o fim dos direitos trabalhistas.

 

19 de março – Muito bacana o clima político que tomou a cidade de Monteiro, na Paraíba, onde Lula e Dilma realizaram um ato de inauguração popular da transposição do São Francisco. A transmissão ao vivo pela internet não deixou dúvidas de que o povo não é bobo e veio saudar quem se empenhou de verdade pela obra. Enquanto isso, os canais da mídia golpista mostravam apenas a triste imagem de ministros do PMDB comentando sobre a carne podre do governo Temer. O verdadeiro Brasil não está nem na Globo e nem na Band News. Está nas ruas. Nosso povo sofrido não perde a esperança no país generoso, inclusivo e humano conduzido por Lula e Dilma.

 

  1. S – Como vocês já devem saber, meu nome foi acolhido para presidir o PT/BH. Desde o final do ano passado, tenho feito conversas com lideranças importantes, como o presidente Lula e o governador Pimentel, no sentido de construir um consenso — com participação de todas as forças partidárias e sem hegemonia —, com o propósito de retomar o diálogo do PT com os movimentos sociais e prosseguir com o legado que fez história na administração de BH. A costura foi bem articulada também com o PT-MG. A eleição será no dia 9/4. Fiquem atentos, pois informarei os locais de votação. Bora lá!