Homenagem a Dona Geralda

Dona Geralda recebe o título de cidadã honorária

Dona Geralda recebe o título de cidadã honorária

Matriarca do Clube da Esquina recebe título de Cidadã Honorária de Belo Horizonte

 

Na segunda-feira (8/8), Geralda Magella Horta de Mello recebeu o título de Cidadã Honorária de Belo Horizonte. Matriarca do Clube da Esquina, ela é mãe do guitarrista, violonista e compositor Toninho Horta, da flautista Lena Horta, do instrumentista Paulo e de Prudente, Geraldo, Letícia, Gilda e Berenice – todos ligados à música. Filha de maestro, dona Geralda, de 102 anos, nasceu em Capim Branco. Funcionária pública, trabalhou com Helena Antipoff, a educadora que modernizou o ensino mineiro na década de 1930.

Bandolinista, Geralda exerceu forte influência sobre o clã, apoiando não apenas os filhos artistas, mas os jovens amigos deles. Em depoimento ao Museu do Clube da Esquina, ela conta que alugou quitinete em Copacabana, no Rio de Janeiro, para acompanhar a apresentação da canção Travessia, por Milton Nascimento, no Festival Internacional da Canção, em 1967. “Foi a família toda para o Maracanãzinho. Sentamos e a família do Fernando Brant estava mais ou menos perto. Na hora de Travessia, eu falei: ‘Esta música já é, não tem outra’. E bati tanta palma, tanta palma, mas tanta palma que minhas mãos incharam. E foi aquela euforia.” Travessia levou o segundo lugar; Carolina, de Chico Buarque, o terceiro. As duas se tornaram clássicos da MPB, enquanto a vencedora, Margarida (Gutemberg Guarabyra), caiu no esquecimento.

(In: Estado de Minas)