Rapper mineiro homenageado na CMBH

Homenagem Flávio Renegado

Homenagem Flávio Renegado

 

O vereador Arnaldo Godoy (PT) homenageou (13/5) o cantor, rapper e líder comunitário Flávio de Abreu, o “Renegado”. “Ele é símbolo de superação social e um artista de grande talento, inspirando os jovens de BH e divulgando nossa cultura para mundo. Mérito mais do que merecido”, justificou Godoy. Nascido no Alto Vera Cruz (1982), Renegado iniciou sua carreira aos 15 anos, na época em que começava também a realizar trabalhos sociais na comunidade, sendo um dos fundadores do grupo “Negros da Unidade Consciente” (NUC). Em 2000, o NUC lançou o projeto “Manifesto Primeiro Passo”, que percorreu o Brasil, Cuba e países da América Latina. O Centro de Multiculturismo do Alto Vera Cruz, inaugurado em 2003, contribuiu para divulgar o trabalho do NUC e também de Renegado, que foi convidado a fazer seu primeiro show solo e a gravar um CD demo (2006). O primeiro disco veio em 2008, “Do Oiapoque a Nova York”, trabalho consagrado com o Prêmio Hutúz, criado pela Central Única de Favelas (CUFA), organização que congrega jovens de várias comunidades do Rio de Janeiro. Com esse disco, circulou pelo Brasil, Europa, Oceania e todas as Américas, concluindo um ciclo ao se apresentar em Nova York em pleno Central Park. O trabalho seguinte, “Minha tribo é o mundo” (2011), abraça as diversas tendências da contemporaneidade — dialoga batidas africanas com ritmos caribenhos, texturas do hip hop norte-americano, música eletrônica e a malandragem do samba. Com essa obra, que retira o hip hop do gueto, Flávio Renegado empreendeu, no ano passado, mais uma turnê pela Europa, se apresentando em festivais como o Back2Black (Londres). Renegado é tão diverso quanto às parcerias que fez com a nigeriana Nneka ou com as brasileiras Mart’nália e Fernanda Takai.