Vírus do plástico

Apesar de a prefeitura prorrogar a valência das multas em 45 dias, nosso mandato realizou uma intervenção cênica bem-humorada na Praça Sete (28/2) para conscientizar a população sobre lei que proíbe as atuais sacolas plásticas no comércio de BH.

 

Foi o ataque do “vírus 880″, um monstro criado pelo artista Léo Piló que demonstra o número que cada brasileiro descarta anualmente no lixo. “Acredito que o humor é uma maneira inteligente e eficaz de tratar assuntos sérios. As atuais sacolas serão totalmente banidas até abril. Considero que a melhor opção para substituí-las ainda seja as sacolas retornável, feitas de pano, lona ou palha. A pessoas traz a sua própria sacola de casa”, assinala Godoy, autor da lei.

 

Ele acrescenta que as sacolas retornáveis podem se tornam uma fonte de renda para a população. “Quem não quiser pagar pelas compostáveis, que serão vendidas no comércio nos próximos meses, pode confeccionar sua sacola retornável em casa e, quem sabe, até montar um negócio para atender os amigos e vizinhos”, sugeriu.

 

Belo Horizonte é a primeira capital do país a enfrentar o problema e a iniciativa ganhou o Prêmio do Mérito Legislador/2009, conferido pelo Senado, como um dos 150 melhores projetos de lei do país. Segundo dados do comércio varejista, o Brasil consome 12 bilhões de unidades por ano e, em Belo Horizonte, a marca anual é de 157 milhões de sacolas plásticas descartadas no meio ambiente e nos aterros.